Considerações sobre o gerenciamento de projetos complexos: o caso de exposições museográficas

O artigo desenvolve considerações sobre o gerenciamento de projetos de exposições museográficas, apresentando uma proposta conceitual para a gestão do processo de projeto em situações complexas de arquitetura efêmera, como é o caso de exposições em museus. Esses empreendimentos são caracterizados pela interação dinâmica entre o acervo, o ambiente construído e os agentes envolvidos, incluindo expositores, gestores, promotores e usuários. Nesse contexto, a simbologia das exposições apresenta características que devem ser consideradas no programa arquitetônico e nos projetos complementares. Ou seja, ressalta-se a imprescindível relação entre o acervo, o ambiente construído e o público, interação essa que determina restrições ou condições de projeto que, em maior ou menor medida, condicionam a criação arquitetônica. Nesse trabalho consideramos tais condicionantes como pontos focais, implicando em valores e requisitos do programa do empreendimento que precisam ser considerados desde o primeiro momento, ainda com a folha em branco. A partir dessas premissas, propõe-se uma estrutura conceitual para o processo de projeto, que utiliza práticas de Project Management. Destaca-se que a complexidade desses empreendimentos torna necessária a introdução de mecanismos efetivos de colaboração e engenharia simultânea na fase de projetos. Propõe-se uma estrutura conceitual para a fase de concepção desses empreendimentos, onde o foco está no compartilhamento dos valores e programa do projeto entre a arquitetura e outras disciplinas que, em função das características da exposição, devem ter especial destaque e passam a ser pontos geradores do processo de projeto.

ANDERY, Paulo Roberto; VEIGA, Ana Cecília Rocha. Considerações sobre o gerenciamento de projetos complexos: o caso de exposições museográficas. Construindo, Belo Horizonte, v.5, n.2, p.01-10, jul./dez. 2013.

Clique aqui para baixar o artigo completo em pdf

Menu
Translate »